Os Atabaques e seus Ritmos

Os Atabaques são instrumentos de percussão feitos em madeira, tem forma cônica e utiliza aros de ferro para fixar o couro (tímpano) no instrumento. Há quem alegue que o atabaque é um instrumento musical de origem árabe, mas no entanto o que se tem conhecimento é que seu uso em termos religiosos começou através do Candomblé Jeje, difundindo depois para as demais Nações de Candomblé e posteriormente para a Umbanda.

Nos Terreiros de Candomblé encontramos o conjunto formado por três atabaques, o Rum (maior), Rumpi (médio) e Lé (Menor), a qual damos o nome de “Couro”.

Dentro dos Terreiros são instrumentos de uso ritual utilizados para louvar os Orixás, não podendo de maneira alguma ser utilizado para outro fim. Só podem ser tocados pelos Ogãs (o Rum só pode ser tocado pelo Ogã Nilu ou Aglabê). Seu couro é oriundo da pele dos animais sacrificados aos Orixás.

O Rum é consagrado ao Orixá dono da Casa, o Rumpi ao Adjuntó e o Lé a Oxalá, e recebem seu reforço de Axé anualmente. Existe toda uma ritualística e cuidados especiais para que sejam tocados e tratados.

A importância dos atabaque é tanta, que os mesmos são saudados por todos àqueles que entram dentro de um Terreiro e também pelos Orixás em seu Rum.

Podem fazer parte do “Couro” outros instrumentos musicais a fim de acompanhar os toques dos atabaques. Podem ser usados os seguintes instrumentos:

– Agogô: Instrumento composto normalmente de duas, ou às vezes três campânulas, presas por uma haste de ferro, pertence ao Orixá Ogum.

– Caxixi:É um instrumento parecido com um chocalho, de origem africana. formado por um pequeno cesto de palha trançada, em forma de campânula, pode ter vários tamanhos e ser simples, duplo ou triplo; a abertura é fechada por uma rodela de cabaça.

– Xequerê, Agbê ou Agê: instrumento feito com uma cabaça inteira trançada com cordão e contas diversas, no Ketu é conhecido com afoxé.

A percussão dos Atabaques varia de acordo com a Nação. Podendo pode ser feita com as mãos ou com duas varetas de nome Aguidavis, ou por vezes com uma mão e um aquidavi, dependendo do ritmo (toque) e do atabaque que está sendo tocado.

Nos Candomblés Ketu e Jeje são tocados com Aguidavis, já nos Candomblés de Nação Banto (incluindo o Omolokô) são tocados apenas com as mãos.

Os toques executados pelos atabaques são os seguintes:

Adabi – Bater para nascer é seu significado. Ritmo sincopado dedicado a Exú.

Adarrum – Ritmo invocatório de todos os Orixás. Rápido, forte e contínuo marcado junto com o Agôgô. Pode ser acompanhado de canto especialmente para Ogum.

Aguré – Em Yorubá significa “lentidão”. Ritmo cadenciado para Odé com andamento mais rápido para Iansã. Quando executado para Iansã é chamado de “quebra-pratos”

Alujá – Toque rápido com características guerreiras. Dedicado a Xangô.

Bravum – Dedicado a Oxumaré e Ewá. Ritmo marcado por golpes fortes do Run.

Runtó – Ritmo de origem Fon executado para Oxumaré. Pode ser executado com cânticos para Obaluaiê e Xangô

Igbin – Significa Caracol. Execução lenta com batidas fortes. Descreve a viagem de um Ancião. É dedicada a Oxalufã.

Ijexá – Ritmo cadenciado tocado só com as mãos. É dedicado a Oxum e Logun Edé quando sua execução é só instrumental.

Ilú – Dedicado à Oyá

Batá – Batá significa tambor para culto de Egun e Xangô . Ritmo cadenciado especialmente para Xangô. Pode ser tocado para outros Orixás. Tocado com as mãos.

Korin Ewé – Originário de Irawo, cidade onde é cultuado Ossain na Nigéria. O seu significado é “Canção das Folhas”.

Oguelé – Ritmo atribuído a Obá. Executado com cânticos para Ewá.

Opanijé – Dedicado a Xapanã. Andamento lento marcado por batidas fortes do Rum. Significa “o que mata e come”

Sató – A sua execução lembra o ritmo Bata com um andamento mais rápido e marcado pelas batidas do Rum. Dedicado a Oxumaré ou Nanã. Significa a manifestação de algo sagrado.

Barravento – Toque de puxada, também utilizado para Oyá (Matamba). Tocado em Angola.

Cabula – Toque de Angola geralmente utilizado em Rodas de Capoeira. Pode ser utilizado também para os seguintes Orixás/Nkises: Oxalá (Lembaraganga), Ogum (Roximukumbi), Xangô (Nzaze Apongo), Odé (Gongobila), Xapanã (Kaviungo), Ossain (Katendê), Oxumaré (Angorô), Tempo, Iansã (Matamba), Oxum (Kissimbi), Iemanjá (Mikaiá) e Nanã (Zumbarandá).

Congo de Ouro e Muxikongo – Utilizado para Odé (Gongobila), Ogum (Roxumukumbi), Xangô (Nzaze Apongo), Tempo e Xapanã (Kaviungo). Tocado em Angola.

Bate Folha – Toque de Angola utilizado para Oxalá (Lembaraganga).

Muzenza – Toque de Angola geralmente utilizado em Rodas de Capoeira.

 

This entry was posted in Doutrina. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s